#StartupdaSemana Sustentabilidade que lucra: Fruta Imperfeita já evitou o desperdício de mais de 600 toneladas de alimentos

Com apenas 3 anos, Fruta Imperfeita já evitou o desperdício de mais de 600 toneladas de alimentos

Já imaginou um mundo onde não há desperdício de alimentos e tudo é reaproveitado? Pois bem, este é o principal objetivo da startup Fruta Imperfeita.

Criada no final de 2015 pelo casal Roberto Matsuda (engenheiro) e Nathalia Inada, (publicitária), a Fruta Imperfeita é o sonho de muitos empresários, uma combinação de ideologia com negócios que deu certo.

Fora do padrão

O primeiro insight, digamos assim, surgiu durante a pós-graduação em Gestão de Negócios com foco em Sustentabilidade do Roberto. Filho de produtores rurais, ele se lembrou da infância no sítio e das dificuldades que a classe sofre para fechar uma produção.

Segundo o empresário, os pequenos produtores são os que mais desperdiçam alimentos que estão fora do padrão estético (que basicamente é: formato simétrico, consistência firme e cor lustrosa). Os grandes e médios até conseguem vender para sacolões ou para a indústria – que produz geleias e molhos.  Já os outros não conseguem repassar, pois os custos de embalagem e transporte não compensariam o valor final.

“Com esse olhar, a gente começou a pensar em criar um negócio que poderia fazer bem para a comunidade que a gente vive.”

Eles viram no que ia para o lixo, uma oportunidade de negócio.

Olhando agora, com a empresa estruturada e uma ideia original, a impressão é que sempre foi fácil, não é? Muito pelo contrário, foram inúmeras tentativas para chegar ao modelo atual.

Roberto fazia praticamente tudo sozinho (desde a ida aos colaboradores, seleção dos produtos e entrega em domicílio) contando com a ajuda da esposa apenas nas folgas do trabalho, por isso, o atendimento ficou restrito à região que eles moravam, a zona sul de São Paulo.  

Assim foi o planejamento durante três meses. Mas o que ninguém esperava, aconteceu. Mesmo sem grandes investimentos em publicidade, a ideologia caiu no gosto das redes sociais e convenceu o público. O sucesso veio em tempo meteórico:  em três meses de atuação, eles saíram de uma produção de 60 cestas por semana para mais de 5.000 pedidos!

Um propósito que mobiliza

Tudo que um empresário pode almejar é o crescimento exponencial do seu empreendimento, certo? Mas, e quando acontece antes do esperado e não existe uma estrutura adequada? Foi a próxima fase da startup.

Ele acredita que a sinceridade foi essencial para consolidar a marca e a concepção do movimento. Logo depois do boom, abriram o jogo e  explicaram para os clientes que não tinham estrutura suficiente para atender a demanda, mas deixaram a mensagem de combate ao desperdício.

Visionário, Roberto bate nesta tecla há três anos. O casal ainda participa pessoalmente de todo o processo de produção. E, mesmo hoje, com uma área de atendimento maior e uma empresa consolidada, continuam priorizando a organização com os pequenos produtores para depois atender os clientes.

“A nossa história, mesmo sendo uma startup, foi muito mais de movimento, de andar conforme o discurso (…). Queremos conscientizar as pessoas. A gente, enquanto empresa tem que ter lucro, tem que sobreviver, mas, a longo prazo, essa ideia faz mais sentido do que aproveitar a onda agora.”

Efeito dominó

Os números da startup são impressionantes considerando a sua trajetória e o impacto social.

 

 

Até o final do ano, pretendem abranger a Grande São Paulo e ter um modelo de negócio para outras cidades, priorizando os seus produtores locais. Através do site, é possível comprar cestas variadas (3kg à 10 kg) e os valores são compatíveis ao de mercado, mas como delivery, é cerca de 30% a 40% mais barato. O consumidor escolhe a entrega avulsa, semanal ou quinzenal. Tudo respeitando a safra e sazonalidade da natureza.

O mérito deles é a dedicação à causa do início ao fim. Pensar na remuneração justa do produtor rural até as campanhas de reutilização de óleo de cozinha e caixas, fazem parte da mensagem de consumo consciente. Que não vê cor, textura, nem tamanho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *